domingo, julho 23, 2006

Sobre a noite de ontem...

Assim começaria qualquer carta a um amante, mas eu vou falar é de música e da festa de lançamento do site da Starla.

Aliás é estranho, mas também apropriado mencionar o quanto tudo passa a ser motivo de comemorar no rock da cidade. Longe de achar isso ruim, principalmente em dias que se cancela um festival em Salvador, o Banda Antes da Mtv; só sinalizo o quanto fazer rock aqui está sintomaticamente mais simples.

Bom, o que eu quero mesmo relevar é que lindo está o site da Starla, a produtora Ticiana Valle é a culpada por todo aquele céu estrelado e foi também quem me convidou à festa.

Cheguei atrasada, o show estava marcado para às 21 horas, como li no cartaz e até anunciei aqui no blog: seria dj el Cabong e Janocide, banda Cox, Starla e Theatro de Séraphin; com minha santa ingenuidade achei que realmente podia começar cedo por conta de tantas atrações, mais uma vez o público só apareceu bem tarde... E eu tava lá, pra ver tudo.

Luciano "el Cabong" Matos discotecava, não sei vocês, mas eu sempre curto, quero dizer, até a página nº 20. Umas musiquinhas boas, mas as poucas pessoas que se faziam presentes na pista, pareciam infinitamente mais distantes do que aquelas que estavam lá na porta fazendo charme pra entrar, ou seja, ninguém dançava.

Pouquinho pra meia-noite a banda Cox "sobe" ao palco para a primeira apresentação da noite. Eu não consegui gostar, esforcei-me até. Fora as menções "sem-noção" ao episódio da substituição da atração anunciada: ZecaCuryDamm, achei muito fraca a interpretação da Jerusa Leão, que me pareceu ter um bom repertório, mas pô! Não conseguia ficar em frente ao microfone, entender o que ela cantava era quase impossível e olha que ouvi tudo que a banda têm disponível na net, podia até acompanhar, o fato é que me perdi em várias passagens do cover de Creep do Radiohead. Maior parte do problema deve ser creditada ao técnico de som, é bem verdade, pecando a noite quase toda, muita displicência, enfim... O destaque bom da banda fica por conta da simpatia da baterista Lívia Rangel, que também mandou bem no backing vocal.

Mais dj, agora a vez de Janocide. Com mais gente disposta, a pista balançou. Não foi um set extenso porque a dona da festa estava com a preparação de palco adiantada.

A Starla ainda tem uma coisa que não sei definir direito: acho que banda e vocal deviam ser separados pra me funcionar melhor. É, parece que o vocalista não é para aquela banda e vice-versa. Mandou as músicas do seu ep Amanhecer em Minas Gerais, cover do Muse, e de Fagner, quando puxou o músico Luisão (ex- Cravo Negro e Penélope) pra participar de duas faixas numa das três guitarras. Show redondo, evidente qualidade técnica de todos os músicos e site lançado.

Dj el Cabong novamente na parada, ia bem até meio que ser sabotado pelo técnico de som e então abandonou o set. O bom foi que a Theatro de Séraphin não demorou muito pra se instalar e mais uma vez fazer um show rico. Uma galera animada pra fazer o som, aqueles músicos irretocáveis que praticamente já tocaram com todas as bandas da cena rockeira e sem mencionar muito que teríamos a voz de Artur Ribeiro desfilando suas poesias. Não deu muito pra entender o que Marcos e Cândido entoavam de backing vocals (por causa do ataque do maldito técnico de som), mas fui salva pela lembrança recorrente de shows da banda e também os "aaaaaaaaahhhs" vindo do público que acompanhava. Desculpe a Starla, mas pra mim, a Theatro de Séraphin roubou a cena.

Amanhã, diário do show do Cascadura e Matiz na Casa da Dinha.

25 Comments:

Blogger cebola said...

Não me causa nenhuma surpresa, Miwky, isso que você disse sobre a Theatro. Os caras têm se especializado em fazer o "melhor show da noite" já a algum tempo. Tá ficando positivamente "perigoso" fazer shows com eles. Tem que ter muita bala na agulha pra encarar a coesão dessas duas guitarras, baixo e bateria...Inda mais com Mr. Artur "garganta profunda" Ribeiro na proa desse barco.

18:39  
Anonymous Jair Declinium said...

man...
vc disse TUDO agora...
tem q ter mta bala na agulha MSM!

abs

22:17  
Anonymous Lucas said...

"acho que banda e vocal deviam ser separados pra me funcionar melhor. É, parece que o vocalista não é para aquela banda e vice-versa"
Oh, Miwky, explica melhor o que vc quis dizer. vc acha que o vocalista da starla tinha de ser mais o que?
o show da teatro realmente foi muito bom. depois que vi eles no calypso mes passado, passei a admirar mais o show deles. aguardo as versões em estudio agora.
mais o "evento" da noite foi a menção "sem-noção" do show da cox. 10 de cada 10 pessoas que eu encontrei vieram comentar esse fato comigo que eu, felizmente, não presenciei.

02:44  
Blogger miwky said...

lucas, eu acho o vocalista bom e a banda tb, em separado. pq tipo, parece que a gente quer fazer encaixar quadrado no lado que é redondo...

não sei se me fiz entender??

02:48  
Anonymous ted said...

talvez porque se tudo fosse quadrado, as pessoas achariam um saco... bem, posso dizer que ele é tão da banda quanto os outros... a sintonia da banda é muito boa, não só em termos de amizade, mas em termos de influência. tbm não entendi o comentário. se for algo visual, sei lá... o thom yorke tbm é completamente diferente do resto da banda, e não deixa de se enquadrar com os "redondos". esse lance de ser todo mundo estereotipadamente igual é meio anos 80, aqueles metal farofa, todo mundo com cabelo grande cheio de piolho, aquelas roupinhas ridiculas... acho que o importante ainda é a música. e nisso, acho que ninguém faz melhor que ele, na banda. enfim, opiniões!
abração!

03:20  
Blogger miwky said...

ted, ainda tava falando de música. usei a metáfora da peça quadrada pra encaixar no lado redondo não porque ache que vcs são ruins, mas eu acho que se tivessem outro vocalista ou o vocalista estivesse noutra banda funcionaria melhor.

não tô falando de padrões visuais nem nada. o que quero expressar é que parece não combinar.

03:24  
Anonymous ted said...

eu tbm não falei que achava isso, miwky. apenas dei minha opinião sobre sua opinião. blog não funciona pra isso? as discussões são válidas justamente pra enriquecer ainda mais os conhecimentos. é bom ouvir essas coisas de quem tá de fora, e ao mesmo tempo, saber o que se passa do lado de dentro. aliás, pra mim, esse é o grande lance da internet. mais conhecimento.
abração!

03:40  
Blogger miwky said...

exato! que classe...

03:42  
Anonymous Lucas said...

Entendi sim, Miwky! Quer dizer, entendi sua conclusão, mas queria entender o que vc acha que não encaixa um no outro.
Enfim, parabens por comentar sobre o show. Estou cansado dessa coisa de não comentar sobre nada só porque a pessoa é gente fina, ou porque vai pegar mal. a opinião gera o debate, saudavel, sempre.

03:44  
Blogger miwky said...

lucas ainda não me está claro o pq de não encaixar. acho a melodia fenomenal, bem trabalhada. e a voz é um alentão, mas parece que eu tenho que escolher ou um ou outro.

ainda não dá pra exprimir exatamente porque.

volte sempre ao blog, vc é bem-vindo. fica a promessa de que sai aqui o que eu realmente penso. se eu falhar, vai ser a minha falha. melhor se eu puder reconhecer.

o pior, o que me enoja é tamanha assepsia desta cena, de alguns que escrevem sobre ela como se tudo fosse cor-de-rosa.
quando na verdade, off-mídia segue a hipocrisia...

03:49  
Anonymous ted said...

é por aí. gosto de ouvir tudo sobre minha banda, seja coisa boa ou ruim, seja apenas opiniões, primeiras impressões. uma das coisas mais comuns que ouço da banda, é que na primeira escutada, não gostam do vocal. e depois, se amarram. mesmo sendo sem querer, isso remete bem aos smashing pumpkins, uma das maiores influências da banda. e acho que tem que continuar o debate sempre, senão ninguém cresce. nem quem toca, nem quem comenta. uma das coisas que aprendi no rock baiano é que não adianta falar. tem que fazer, pra saber o tamanho da coisa. e quanto a tudo ser cor-de-rosa, eu concordo, mas ressalto que não me lembro da cena de rock baiano estar tão bem em muitos anos. até conversei com luciano sobre isso, e ele concorda. a cena está efervescendo, com muitas bandas boas. fico bastante feliz por estar participando disso!
abração!

04:24  
Blogger miwky said...

segunda vez que eu vejo a starla ao vivo: a primeira no café ateliê de jc e esta. e tb ouço direto na trama virtual.

quem faz arte é isso ai mesmo, põe a cara pra bater, né?? assim como quem escreve.

alerto para este formato aqui, o de blog, que tem as suas particularidades.

esqueci de mencionar que tb há os que nem frequentam o rock e ainda assim metem o pau. enfim, não é gente de que eu precise ocupar meu tempo, tampouco quem é alvo tb deveria dar importância...

e sim, sobre a cena, ela se faz com trabalho. é só olhar ao redor, bandas com tão pouco tempo de estrada mostrando tanto serviço quanto às que já estão ai há tempos e até, muitas vezes, se descolando das velhas atitudes e colhendo frutos mais rapidamente.

claro que a coisa tá mais fácil neste momento, como até mencionei no texto. e quem não parar de abrir a boca pra ficar só reclamando, vai ficar mesmo pra trás.

o lance é mostrar qual é a sua, perder os hábitos viciados da cena, a mentalidade de público, a concepção de shows... enfim, é um trabalho grande se quisermos ostentar uma cena de música rock em salvador, na bahia...

vamos todos contribuir pra isso.

04:38  
Anonymous Eduardo César said...

ta vendo? É exatamente o que eu falei lá no blog de Luciano?

"mas eu acho que se tivessem outro vocalista ou o vocalista estivesse noutra banda funcionaria melhor."

Desculpe estar me metendo Miwky, mas isso não se fala... seria o mesmo que conhecer um futuro namorado seu e falar que vocês não combinam.

17:25  
Blogger miwky said...

iso não se fala, eduardo. mas eu digo, e ai?

é o que eu acho!

18:52  
Anonymous Anônimo said...

afinal, qual foi a menção sem noção tanto falada?

19:43  
Anonymous Sid said...

Tem que falar sim. Eu também acho que existe muito isso por aqui de tudeo ser "cor-de-rosa" mesmo, ninguém pode falar mal de banda nenhuma, só porque é do rock baiano. Eu por exemplo, não tenho medo de dizer que não gosto nem da Teatro de Seraphin e nem da Starla. E que, apesar de tudo, a Cox foi a banda que mais me divertiu naquela noite. Também lamento a discotecagem de Jan e de Luciano ter sido tão curtinha...o jeito é aguardar a próxima Nave.

19:52  
Blogger miwky said...

pô, vcs querem saber dessas coisas, devem deixar de ficar dentro de casa e sentar a bunda nos shows de rock.

isso tomou maior proporção do que o próprio show da cox? não acredito! é de música que eu quero falar, ok?

por enquanto!

20:38  
Anonymous ted said...

e podem ficar sem medo de falar mal da minha banda, não saio batendo em pessoas que falam isso não, eheheh. gosto de ouvir tudo que acham da banda. acho legal falarem bem e mal, apesar de achar que miwky não falou mal, ela apenas deu um ponto de vista. eu não vou ter um papo "politicamente correto" em dizer que eu acredito em minha banda, e que não me importa se ninguém gosta. eu me importo sim. quero tocar pra milhões, quero estourar. eu sempre achei que a maioria das bandas daqui tem medo de estourar. bandas boas deixaram de virar referência nacional por medo da mídia. sinceramente, não tenho. acredito muito em minha banda e no meu potencial. e acho justo que falem suas opiniões. só discordo se for algo sem fundamento, ou ataque gratuito, por birra, sei lá. fora isso, acho que todo mundo tem o direito de opinar. é o lance de dar a cara a tapa, né? por ai.

01:12  
Anonymous Ricardo Longo said...

É isso aí, Miwky, tem que falar o que acha mesmo. Acho que o fato de existir um trabalho jornalístico com críticas sinceras é um dos requisitos para se profissionalizar uma cena alternativa como a de Salvador.

15:14  
Anonymous eduardo césar said...

Comcordo plenamente com Ricardo.

"um trabalho jornalístico com críticas sinceras é um dos requisitos para se profissionalizar uma cena alternativa como a de Salvador"

18:26  
Blogger miwky said...

eduardo, meu, vc começa a ficar confuso, hein?

se explica ai!

19:08  
Anonymous Anônimo said...

Ou ele quis dizer q o trabalho não é jornalístico, ou que vc não foi sincera...é por ai? Quanto provincianismo dessa gente, meu Deus!

Johnny Be Bad

22:03  
Anonymous Antonio said...

Rapaz... é o seguinte. Rick tem uma voz bem diferente... ele tem um alcance que parece não ter. Ele vai dar aquela nota lá em cima e quem vê acha que ele não vai chegar... lá tá ele. É empostada... cheia. Suficiente. Potente.

O que Miwky fala não é tão estranhável. Acho que talvez seja porque o som da banda termnina ficando pequeno perto da voz dele, no entanto acho que isso faz parte do som da banda. A Starla é muito coesa, é muito bem encaixada, tem um repertório muito forte... tamanha consciência só pode mostrar que inclusive isso é 'parte do plano'. Eu gosto... acho contrastante mesmo, e gosto de contrastes.

Quando ela diz que a banda é boa, que o vocal é bom, está elogiando. A referência é técnica e isso é bem menos subjetivo que quando ela acha que seria melhor outra formação... aí é puramente sensação.

Enquanto à questão da crítica... acho que foi ted quem disse: o mal é quando é infundada, não baseada, parte do gosto mas não se deixa evidente. Para mim ficou evidente que era coisa dela, que ela achava... bem primeira pessoa mesmo. Outro nível!!! Claro que se há que críticar.

E é uma resenha de quem assistiu aos shows... é incrível como o povo não assiste aos shows. Apenas de suas bandas amigas... foda demais. Um bom motivo pra o público ser como é. Você vai ver seu amigo tocar, claro que isso é um grande estímulo, é assim que se surge, mas aí seu amigo que vai tocar ou já tocou sai de cena, fica conversando, nem olha pro palco, fica até em outro ambiente ou vai embora... você vê seu amigo e 'pensa' (essas porra não podem prestar). Claro que se pode conversar... foda é não dá a mínima. E é assim que a 'cena' trabalha. Infelizmente.

13:05  
Blogger miwky said...

rapaz, esse lance do público é tão complexo, nem acho que ele seja de todo culpado, mas acho que as bandas e tudo que gira dentro da cena não contribui muito pra que as coisas melhores.

interessante o que vc disse sobre o vocal da starla. ainda não sei se é isso, mas é uma opinião bem concisa.

13:57  
Anonymous Antonio said...

baby... as bandas montam um show e fazem de tudo para atender às exigências do público que procura agradar... o público daqui tem umas peculiaridades. talvez nem sejam peculiaridades. não conheço outros públicos que não o daqui e o de Aracaju. Acho que ambos são parecidos, mas o de lá é ainda mais receptivo.

O que eu falo do público daqui é o que eu vejo... e reflete bem as bandas que eles vão ver. Não vejo muito interesse em conhecer... e é muito restrito.

Tomo por mim... eu achava que aqui só tinha merda. Que só o que prestava era o metal e algumas poucas coisas... só gostava mesmo de Saci Tric e Penélope 'Charmosa'. Depois de mudar de banda e entrar na V-OUT que fui reolver conhecer e me surpreendi... tem muita coisa boa.

Bem... é isso mesmo... tem que correr atrás pra que o público cresça praticamente obrigando o povo a ouvir... sempre que falo de minha banda pra alguém que nunca ouviu friso que é boa, pode confiar, não duvide... quam vai e gosta faz a intejeição de que 'não achava que podia ser tão bom!!!' acho que é por aí. Não confiam...

O interessante é ouvir falarem o que é bom e o que não é...

23:31  

Postar um comentário

<< Home